Entrevista - Flavio Erthal Imprimir
Qui, 28 de Maio de 2009 00:00
Em comemoração ao dia do Geólogo, o entrevistado da coluna ‘5X Petróleo’ desta semana é o presidente do DRM/RJ - Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro, Flávio Erthal. O executivo, que também é diretor-presidente do Núcleo Rio de Janeiro da Sociedade Brasileira de Geologia - SBG-RJ, irá destacar as peculiaridades desta profissão


 

 

 

 

 

 

1X Nessa semana comemora-se o dia do Geólogo. A proximidade desta data faz levantar questões referentes aos desafios dessa profissão. Como o senhor pode destacar as atividades de um profissional de Geologia?

A profissão passou por uma fase de baixa, coincidindo com a redução de investimentos na "década perdida". Com o crescimento dos investimentos na área de petróleo e a retomada do interesse na exploração mineral, o geólogo passou a ser um profissional disputado, com forte demanda não atendida. Penso que foi decisiva a política da Petrobras em recompor seus quadros, posta em prática pela empresa no governo do presidente Lula, liderada pela Diretoria de E&P, com o geólogo Guilherme Estrella. Isto reflete na profunda influência que as decisões da Petrobras têm sobre a geologia no Brasil e o importante papel da empresa no apoio à geologia e geociências, na área de pesquisa, ensino e divulgação do conhecimento científico. Num país em que o destaque são os recursos naturais e seu território de dimensões continentais, as profissões ligadas ao conhecimento do meio físico e da prospecção e produção destes recursos têm que ganhar destaque. Isto resulta na carência de geólogos no Brasil, formando-se menos profissionais do que o país necessita, além da tentativa de avanço de outras profissões sobre as atribuições do geólogo, em áreas que requerem uma especialização só disponível na formação do geólogo. O geólogo trabalha com o tempo geológico, que se mede em milhões e bilhões de anos e isto é fundamental para entender os fenômenos naturais, os recursos naturais e sua dinâmica.
2X O geólogo tem atuação profissional marcante na sociedade moderna, devido a crescente demanda por recursos naturais e a necessidade de conservar o equilíbrio da Terra. No setor petrolífero, o mercado de trabalho para um geólogo é extremamente promissor. Explique por que.

Pelo que acompanhamos, as descobertas da camada pré-sal mudaram o cenário no país e no mundo, demandando outros paradigmas e novos e imensos desafios para seu aproveitamento. E por outro lado, colocou o Brasil e a Petrobras numa situação ímpar. E o profissional-chave neste processo é o geólogo, cabendo à engenharia os desafios de viabilizar o acesso às camadas abaixo das águas ultra-profundas. Este avanço da Petrobras e o modelo adotado resulta na crescente demanda por profissionais capacitados e também pelos novos profissionais, movimentando muito a carreira. As companhias buscam seus profissionais ainda nas escolas e isto acirra a competição. De outro lado, cria um certo desbalanceamento, no afã de se formar profissionais para atender ao setor petrolífero, quando a formação do geólogo no Brasil sempre foi mais generalista. Não podemos formar profissionais só para petróleo, mas profissionais que possam atender todo o leque de demanda que a profissão proporciona.

3X O papel do geólogo na sociedade não está mais ligado somente à mineração, extração petrolífera, concepção de barragens, entre outras atividades conhecidas de sua área de atuação. Qual o a importância do atual papel do geólogo na sociedade?

É fundamental, em especial no conhecimento do meio físico. Hoje já se fala em geodiversidade, não somente na biodiversidade. A inclusão de conceitos da geodiversidade, em conjunto com a biodiversidade, é fundamental para que se possa entender os fenômenos geológicos e biológicos que são determinantes na vida da Terra. Fenômenos como as mudanças climáticas têm que incluir os componentes do conhecimento geológico, no entendimento de sua dinâmica e isto pode ser dado pelo geólogo e seu conhecimento destes fenômenos, que se repetem na história geológica da Terra. O geólogo precisa estar presente no dia a dia das pessoas, pois temos deslizamentos de encostas, inundações, ocupação indevida do solo, contaminação de solos, escorregamentos em estradas e tantos outros acontecimentos que precisam dos conceitos da geologia para serem entendidos e solucionados. É parecido com tratar a origem da doença e não sua consequência imediata. Para isso é preciso conhecer o paciente, suas origens, sua história e não simplesmente lhe dar um antibiótico salvador, mesmo que seja eventualmente necessário.

4x A recentes descobertas dos mega campos petrolíferos na camada de pré-sal na Bacia de Santos poderá ter reservas de petróleo tidas como a maior descoberta do Hemisfério Ocidental nos últimos 30 anos. Mas segundo especialistas, o Brasil precisa ter cuidado com os elevados custos e os impactos ambientais. Quais seriam esses cuidados?

Hoje verifica-se o avanço do interesse sobre os recursos do mar, aparentemente inesgotáveis, pois 3/4 de nossa superfície são cobertos por água do mar. Mas é preciso olhar para trás e ver o estrago irreversível que a extração dos recursos minerais sem critério e imediatista causam ao planeta, resultando em alterações climáticas que se acentuam. Penso que hoje a consciência é maior para esta questão crucial e a Petrobras tem intensa preocupação com esta questão, pois não se trata de explorar a qualquer custo e sim de desenvolver tecnologias que garantam a economicidade da exploração e os cuidados com o meio ambiente e com o ambiente marinho. É um desafio do tamanho das gigantescas reservas e a empresa tem mudado muito sua atitude na área ambiental. De outro lado, se desenha o caminho das mudanças na matriz energética, com a redução da dependência dos combustíveis fósseis e a busca de energia limpa. O melhor é a transparência sobre as ações das empresas e o fortalecimento dos mecanismos de fiscalização do estado, permitindo que a sociedade participe do processo. A participação da sociedade é fundamental no acompanhamento da exploração dos recursos naturais e suas consequências para as gerações futuras.


5X Qual a dica que o senhor daria aos novos geólogos?

Acho que manter a mente aberta durante sua formação. Preocupa um pouco uma tendência pela formação especializada, talvez deixando de lado a formação generalista característica das escolas de geologia. Esta discussão tem acontecido no Núcleo Rio de Janeiro da Sociedade Brasileira de Geologia e precisa ser incentivada. Que geólogo formar? Para atender a Petrobras ou a Vale ? Ou um profissional que possa atuar em todas as áreas que requerem o conhecimento geológico ? Pretendemos incentivar este debate, inclusive com os estudantes, participando do próximo encontro nacional, no Espírito Santo, em agosto. O geólogo tem uma amplitude de atuação e precisa conservar esta sua característica, sem deixar de atender estas demandas especializadas. Dá um bom debate.

Última atualização em Qua, 09 de Setembro de 2009 15:47